Ajak Deng nasceu no Sudão, cresceu na Austrália e atualmente vive em Nova Iorque.A top model bombou no mundo da moda há quase 1 década, quando foi descoberta ainda na escola.

O desfile que marcou sua presença no mercado foi o Fashion Week de Melbourne, na Austrália. Desde então ela já desfilou para grifes importantes como Louis Vuitton, Givenchy e Jean Paul Gaultier.

Ajak Deng em capa da Vogue

Para Ajak, a infância não foi leve como para outras crianças.

Sua família foi vítima da guerra civil no Sudão do Sul, que os levou a fugir para um campo de refugiados no Quênia, onde passaram três anos. Depois de perder a mãe para a malária (doença sem cura), o governo australiano transferiu sua família para Melbourne quando ela tinha 11 anos, e esse foi o começo de sua jornada na passarela.

Observando o tipo físico da modelo –  corpo esculpido, tom de pele impressionante e traços marcantes – você logo imagina que a carreira de modelo foi predestinada para Ajak. No entanto, o sonho da garota era na verdade lutar no exército.

Top Model Ajak Deng

Em entrevista, Ajak conta:

“Eu queria me juntar ao exército, mas meus professores do Kurunjang Secondary College me disseram que não era para mim.

Eles sabiam que eu adorava viajar e gostavam de moda e sugeriram a carreira de modelo, e desde então eu não olhei para trás “.

Ajak é muito difícil de esquecer, e você provavelmente já a viu em um editorial de revista ou invadindo a passarela durante a semana de moda.

Apesar disso, como de costume em qualquer setor, sua raça representa um problema, já que ela não é contratada tanto quanto outros modelos brancos.

Para protestar contra isso, em fevereiro de 2016, a modelo anunciou em um post no Instagram (agora deletado) dizendo:

“Eu estou feliz em anunciar que eu estou oficialmente terminando minhas relações com a indústria da moda, estou voltando para a Austrália para viver a vida que eu mereci, que é a vida real. Eu não posso mais lidar com as falsificações e as mentiras. … Minha vida é curta demais para essa vida dramática “.

Precisamos de mais modelos como essa sacudindo a mesa para que os modelos negros recebam o merecido reconhecimento pelo trabalho profissional e árduo.

22 COMMENTS

  1. You really make it seem so easy with your presentation however I find this matter to
    be actually something that I think I might never understand.
    It kind of feels too complex and very extensive for me.
    I’m looking ahead to your subsequent submit, I’ll attempt to
    get the grasp of it!

  2. Asking questions are genuinely fastidious thing if you are not understanding something totally, except this post
    provides good understanding yet.

  3. You actually make it seem really easy with your presentation however
    I to find this topic to be actually one thing which I believe I might
    by no means understand. It sort of feels too
    complicated and extremely broad for me. I’m having a look ahead for your next post,
    I’ll attempt to get the grasp of it!

  4. Hello just wanted to give you a quick heads up and let you know a few
    of the pictures aren’t loading properly.
    I’m not sure why but I think its a linking issue. I’ve tried it in two
    different web browsers and both show the same results.

  5. you are in point of fact a excellent webmaster. The web
    site loading velocity is amazing. It seems that you are doing any unique trick.
    Also, The contents are masterwork. you’ve performed a magnificent task on this matter!

  6. great submit, very informative. I ponder why the opposite experts
    of this sector don’t understand this. You must proceed your
    writing. I’m sure, you’ve a huge readers’ base already!

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here