Do dia 6 a 14 de setembro as maiores modelos e designers estavam em Nova York para New York Fashion Week, um dos maiores eventos de moda do mundo. E este ano várias grifes trouxeram mais diversidade e representatividade às passerelas do mundo da moda. Confira nossa lista com os melhores desfiles a seguir.

Chromat

Mia Michaels desfilando para a Chromat. Imagem: Getty Images

A marca Chromat de maiôs e biquínis, que nós já falamos aqui no blog, novamente deu um show de diversidade na passarela, permanecendo fiel ao propósito da marca de fazer roupas de banho para todos os tipos de corpos.

O desfile foi inspirado em uma festa na piscina, mais especificamente nas camisetas que muitas mulheres já usaram para esconder o corpo durante essa festa. A designer Becca McCharen-Tran disse durante entrevista que ela queria transformar essa roupa, muitas vezes sinônimo de vergonha, em uma fonte de orgulho.

As modelos incluíram mulheres de diferentes tipos físicos e etnias, entre elas estava a sobrevivente de um câncer Ericka Hart, com um traje que mostrava suas cicatrizes das cirurgias nos seios, a dançaria e modelo de 53 anos Mia Michaels, e Mia Kang, modelo e lutadora, que voltou às passarelas após 3 anos afastada e compartilhou um relato inspirador no seu Instagram após o desfile.

Christian Siriano

Christian Siriano foi outro designer que fez um dos melhores desfiles da New York Fashion Week. Ele criou designs coloridos e uma passarela cheia de diversidade, com mulheres de todos os tipos físicos, algo que ele vem apoiando desde seus últimos desfiles e coleções.

Ele disse em entrevista ao site Fashionista, que percebeu que a marca precisaria mudar quando viu que seus clientes não conseguiam se imaginar usando as roupas. Agora, Siriano quer que as mulheres e os homens que usam sua marca se sintam bem e felizes, o que foi mostrado no desfile.

Pyer Moss

Ebonee Davis abrindo o desfile. Imagem de Masato Onoda/WWD/REX/Shutterstock

Já a Pyer Moss decidiu levar à passarela a arte da cultura afro-americana. Kerby Jean-Raymond fundador e designer da grife escolheu fazer o desfile no Weeksville Heritage Center no Brooklyn, local que abrigou uma das primeiras comunidades negras livres nos Estados Unidos.

O desfile foi focado também na herança dos antepassados negros. Ebonee Davis, modelo e ativista contra o racismo, abriu o desfile junto com um garotinho, simbolizando essa herança.

Savage x Fenty

Imagem: Brian Ach/Getty Images for Savage X Fenty

Por último, o desfile que fechou a New York Fashion Week e abalou o mundo da moda: Rihanna Savage x Fenty. Dizem que Nova York nunca viu um desfile tão impressionante como esse quando falamos de representatividade. Rihanna não estava brincando quando disse que criou a marca de lingeries para todas as mulheres.

Além de apenas um desfile, também foi uma performance teatral e de dança que celebrou o poder e a beleza de todas as mulheres, sem exceções. Um dos momentos mais marcantes foi a modelo Slick Woods que desfilou grávida e entrou em trabalho de parto pouco tempo após o show.

Ao final do desfile, todas as modelos deram as mãos representando o poder da união feminina e terminando a New York Fashion Week de um jeito nunca visto antes.

2 COMENTÁRIOS

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Digite seu Nome