Todos os anos, a revista Glamour celebra em uma edição especial, e também em uma grande premiação, as mulheres que fizeram diferença durante o ano. Na edição especial de 2018 isso não foi diferente. Ao longo de 28 anos, de acordo com a revista, eles homenageiam as mulheres que, de alguma forma, “quebram as regras” e causaram impacto no mundo.

As histórias das nossas homenageadas geralmente começam com a mesma ideia: uma mulher que se recusa a esperar que outra pessoa melhore as coisas. Sozinha, ou com um exército por trás dela, ela decide agir”, diz a carta da revista para os leitores.

Imagem: Jason Schmidt/Glamour

Este ano, a Glamour escolheu um grupo muito especial e diversificado de homenageadas que representa o poder das mulheres na sociedade. Em uma das capas mais impactantes, a revista retratou todas as mulheres que decidiram levar à justiça o abuso que sofreram por um médico da equipe nacional de Ginástica dos EUA.

A revista reservou uma parte do especial para a juíza Rosemarie Aquilina que, não apenas acreditou na palavra das mulheres, mas também declarou uma condenação de até 360 anos de prisão para o acusado. “Este caso demonstra o poder de escutar, de acreditar, e o desastre que acontece quando vozes são ignoradas”, disse Rosemarie durante a premiação.

Jovens ativistas. Imagem: Samantha Fuentes/Glamour

Entre as mulheres que criaram impacto na política, a revista escolheu homenagear Kamala Harris, atualmente, a única senadora afro-americana em Washington e que luta pelo direito das mulheres em ocupar mais espaços dentro da política.

Além dela, as jovens que se tornaram ativistas pelo controle de armas nos Estados Unidos, após sobreviverem a ataques em seus colégios, também foram destaque na revista.

Manal al-Sharif. Imagem: Michele Aboud/Glamour

Outra homenageada por um motivo muito interessante foi Manal al-Sharif, ativista pelo direito das mulheres na Arábia Saudita, que foi uma das vozes que conseguiu uma conquista inédita no país: o direito das mulheres de dirigirem sozinhas!

Manal começou a campanha em 2011, quando gravou um vídeo enquanto dirigia sozinha. O vídeo viralizou na internet e a ativista sofreu diversos tipos de represálias e, inclusive, precisou sair do país. Mesmo assim, ela continuou sua luta até que esse direito fosse conquistado.

Viola Davis. Imagem: Paola Kudacki/Glamour

Entre as mulheres no mundo do entretenimento, a Glamour escolheu 3 ícones atuais. A atriz Viola Davis, 53 anos, falou sobre como as histórias das mulheres merecem serem ouvidas e que essa tem sido a sua missão há muito tempo. Além disso, ela comentou sobre a importância de ver mulheres negras ganhando destaque nas telas.

Janelle Monáe. Imagem: Danielle Levitt/Glamour

Chrissy Teigen, modelo e influencer, foi escolhida como representante das mulheres que usam a internet para compartilhar o que pensam. Com tweets autênticos e muito bem-humorados, a modelo se tornou uma voz que representa muitas mulheres da nossa geração.

A cantora e atriz Janelle Monáe também foi homenageada por seu impacto na cultura em 2018. “Parabéns para todas as mulheres que estão aqui esta noite. É uma coisa muito legal, estar nesta tribo. Esta é uma tribo que, quando eu fico desanimada, quando não sei o que dizer, eu posso me inspirar em vocês”, disse em um discurso emocionado durante a premiação.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Digite seu comentário
Digite seu Nome