Desfilar para a Victoria’s Secret e fazer parte do seu exclusivo time de Angels é o sonho de muitas modelos desde 2001, quando o Victoria’s Secret Fashion Show foi televisionado pela primeira vez.

Mas, nem tudo é tão bonito quanto parece, e a supermodelo Karlie Kloss decidiu falar abertamente, pela primeira vez, sobre os motivos que a fizeram se afastar da marca.

Karlie Kloss posando para edição da revista Vogue
Karlie Kloss posando para edição da revista Vogue

A modelo deu uma entrevista exclusiva à Vogue britânica onde disse que, com o passar do tempo, passou a discordar da imagem que a marca transmitia para as mulheres em suas campanhas e desfiles.

“Eu decidi parar de trabalhar para a Victoria’s Secret porque não sentia que refletia realmente a imagem de quem sou e a mensagem que quero transmitir às jovens mulheres ao redor do mundo sobre o que significa ser bonita”, disse a modelo durante a entrevista.

Karlie Kloss desfilando para a Victoria’s Secret em 2011
Karlie Kloss desfilando para a Victoria’s Secret em 2011

Karlie começou a desfilar para marca em 2011, quando tinha apenas 19 anos, e disse à revista que sua imaturidade também afetou suas escolhas como profissional. “Eu acho que tinha medo de perder um trabalho ou perder meu lugar se dissesse que não queria fazer algo”, contou à Vogue.

Em 2013, ela foi consagrada como uma Angel oficial, porém em 2015 anunciou que pararia de desfilar para a marca. Durante dois anos ela ingressou na Universidade de Nova York onde estudou teoria feminista, matéria que influenciou a maneira como via a marca para a qual trabalhava e a moda em geral.

Karlie Kloss posando para edição da revista Vogue
Karlie Kloss posando para edição da revista Vogue

Acho que esse foi um momento crucial para assumir meu poder como feminista, ser capaz de fazer minhas próprias escolhas e minha própria narrativa, seja através das empresas que escolho trabalhar, ou através da imagem que decido transmitir para o mundo”, disse sobre seu período na universidade.

Ela retornou para um último desfile em 2017, mas apenas agora justificou sua ausência no desfile do ano seguinte, revelando que não vai mais trabalhar para a marca.

A modelo também não é primeira a criticar o padrão de beleza da grife de lingeries. Movimentos como o We Are All Angels, criado pela modelo Robyn Lawley, e o evento The Real Catwalk, idealizado pela modelo Khrystyana Kazakova, também chamaram atenção para a falta de representatividade da Victoria’s Secret.

Karlie Kloss desfilando para a Victoria’s Secret em 2017
Karlie Kloss desfilando para a Victoria’s Secret em 2017

Em 2018, Ed Razek, diretor de marketing, e Monica Mitro, vice-presidente de ralações públicas da marca fizeram declarações ofensivas durante uma entrevista para a revista Vogue, onde disseram que não colocariam modelos plus size e transexuais no show, pois ele representava uma “fantasia para o público”.

Agora, Karlie se junta ao grupo de pessoas que exige que a grife repense sua imagem. “Só agora eu tenho a confiança para ficar em pé – com meu 1,88 metro de altura – e saber o poder da minha voz. Sou profundamente ambiciosa e determinada, e ainda quero fazer grandes coisas”, afirmou a modelo.

DEIXE UMA RESPOSTA

Digite seu comentário
Digite seu Nome